Segunda-Feira, 17 de Julho de 2017, 06h:58

Tamanho do texto A - A+

ESCUTAS: Desembargador alerta para o fato que os PMs envolvidos em grampos têm (ou tiveram) ligações com o Gaeco

 *Redação

Pode até ser mera coincidência, mas não deixa de chamar a atenção o fato que os policiais militares que estão sendo investigados no escândalo da “gramponagem” mato-grossense (intercerptações tefefônicas e escutas ambientais clandestinas) têm ou tiveram ligação profissional com o Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco).

A constatação é do desembargador Orlando Perri, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso (TJMT), que conduz as investigações dos “grampos” na esfera do Judiciário.

Durante sessão plenária do TJMT, na última quinta-feira (13), em que se analisava o pedido de arquivamento da investigação feito pelo procurador-geral de Justiça Mauro Curvo, que acabou sendo negado por unanimidade, Perri fez o alerta de que os PMs envolvidos no esquema das interceptações telefônicas ilegais “estavam ou passaram pelo Gaeco”.
O desembargador Orlando Perri é responsável por decretar as prisões do coronel Evandro Ferraz Lesco, secretário-chefe da Casa Militar afastado, do sargento Euclides Luiz Torezan, cedido ao Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do coronel Ronelson Jorge de Barros (secretário-adjunto na Casa Militar afastado) e do coronel Januário Antônio Edwiges Batista, ex-comandante do 4º Batalhão, em Várzea Grande.

O desembargador lembra que caso o pedido de arquivamento das investigações formulado pelo Procurador-Geral de Justiça fosse acatado,  levaria também ao arquivamento de todos os processos relativos ao caso. O que significa que toda a apuração da denúncia teria que começar de novo.

“Todos os demais procedimentos a mim distribuídos ou avocados vieram por conexão. Se derrubarem esta notícia-crime vai ter que se fazer a distribuição de todos os demais procedimentos que estão sob minha relatoria. Existem sim conseqüências de ordem prática! E profundas conseqüências!”,  finalizou.

 

*Com informações de Celly Silva (Gazeta Digital).