Segunda-Feira, 10 de Abril de 2017, 22h:01

Tamanho do texto A - A+

CASO DE POLÍCIA: Marcos é expulso do 'BBB 17' após agressão contra Emilly

Família divulgou nota, mais cedo, defendendo o médico. Polícia Civil esteve na casa e tomou depoimento dos dois participantes

 

O DIA

 

O médico Marcos Holter, 37 anos, foi expulso da casa do 'Big Brother Brasil 17' na noite desta segunda-feira após a produção do programa concluir que ele agrediu a estudante Emilly Araújo, 20 anos, neste domingo.

 

Na abertura do reality, o apresentador Tiago Leifert anunciou a medida. "O Big Brother é um programa que reflete a vida real e, como tal, os fatos da vida. Continuando o episódio de ontem, a Polícia Civil esteve na casa e colheu depoimentos de Marcos e Emilly. Eles foram ouvidos separadamente no confessionário e Emilly teve todo o apoio da produção no caso. A polícia concluiu que há indícios de agressão. Sendo assim, Marcos está eliminado do programa. Vamos anunciar que as meninas serão as finalistas. A nossa casa está inserida no contexto da vida, no contexto da lei. Peço a vocês compreensão e paciência", disse.

 

EXPULSÃO

 

Marcos foi expulso do 'Big Brother 17'

Reprodução TV

 

Mudando para a casa, Leifert anunciou que Marcos havia sido expulso para Emilly, Ieda e Vivian. "Quando há esse tipo de caso, as vítimas devem procurar a polícia. Vimos o que aconteceu e decidimos, concluímos que você (Emilly) não precisava falar nada. Acho que o Marcos perdeu a capacidade de competir. Ele não estava mais conseguindo viver o jogo. Achamos por bem fazer isso".

 

Inicialmente, a estudante recebeu a notícia com tristeza. "Quero dizer para o meu pai que estou bem", disse, entre soluços. "A culpa não é sua", disse Leifert. Após o apresentador cortar para a sala da casa, a gêmea chorou no colo de Ieda e Vivian. "Eu não acredito que isso aconteceu, ele não me fez nada", disse Emilly. As duas meninas foram taxativas. "O fato dele apontar o dedo na cara das pessoas caracteriza uma espécie de agressão", disse Vivian. "Eu lamento o que aconteceu, mas agora é hora de você seguir em frente", afirmou Ieda.

 

Ao fim do programa, Tiago Leifert se dirigiu aos telespectadores e pediu que o público "pensasse sobre e discutisse o episódio".

 

Caso chamou a atenção de delegada

 

O episódio chamou a atenção da delegada titular da Divisão de Polícia de Atendimento à Mulher, Márcia Noeli. “Quando soube do caso, procurei assistir aos vídeos. Pelas imagens, há, sim, ameaça. Não de morte, mas, no mínimo, uma tentativa de constranger. Recomendo que ela faça o registro na delegacia assim que deixar o reality show”, diz Márcia, que chefia as Delegacias de Atendimento à Mulher (Deam). 

 

De acordo com a delegada, como, a princípio, não houve lesão corporal, a polícia não poderia intimar Marcos sem que Emilly registrasse o caso. “Estaria no campo da ação penal pública condicionada à representação da vítima. Ao menos aparentemente, não houve lesão corporal, mas não é algo que eu possa afirmar. A participante precisaria passar pelo exame de corpo de delito”, explica. Em uma das cenas, Emilly pede que Marcos solte seu braço: “Está doendo”.

 

A discussão do casal virou o assunto mais comentado, ontem, na internet. No Twitter, a hashtag #ExpulsaMarcos, que pede a expulsão do participante do programa, foi a mais usada. 

 

O Jornal Nacional desta segunda-feira informou que Emily foi interrogada com perguntas baseadas na Lei Maria da Penha e que a sister negou qualquer agressão sofrida por Marcos. O noticiário também ressaltou que o brother foi repreendido pela produção do BBB 17.