Sábado, 12 de Agosto de 2017, 04h:36

Tamanho do texto A - A+

Com dois gols em cinco minutos, Botafogo vence o Nacional e avança na Libertadores

Redação

 

Festa do início ao fim. O Botafogo fez valer a vantagem obtida no primeiro jogo, fez dois logo no início da partida da noite desta quinta-feira, no Nilton Santos, e se garantiu nas quartas de final. Eliminado, coube ao Nacional-URU provocar grande confusão no gramado e a torcida visitante quebrar cadeiras do estádio. O próximo rival do Glorioso na Copa Libertadores é o Grêmio.

 

Pouco antes do apito inicial, do teto do estádio caíram, como chuva, tiras de papel preteado. De dois lados da arquibancada, mosaicos incentivavam os jogadores alvinegros aos som dos fogos. E a barulheira mal tinha acabado quando a euforia tomou conta do estádio. Dois minutos de jogo, João Paulo cobra escanteio e Bruno Silva, sozinho, devia para o gol. Vantagem ampliada. 

 

E como se alguém tivesse dito que a festa precisava continuar, ela continuou: aos cinco minutos, Rogel recuou mal e Rodrigo Pimpão, de carrinho, chegou antes do goleiro Conde. Enquanto a bola ultrapassava linha para o 2 a 0, a torcida já celebrava. 

 

Apesar da necessidade de atacar, o Nacional não conseguia se articular. Pelo contrário, tirou um volante, pôs outro centroavante, mas foi o Glorioso quem voltou a ter chance. Aos 31, Pimpão puxou contra-ataque e passou para Roger. O toque de primeira deixaria Rodrigo LIndoso sozinho com o goleiro, mas Polenta se antecipou. 

 

Os visitantes precisavam de um gol o mais rapidamente possível. Por isso impuseram uma verdadeira blitz em torno da área de Gatito Fernández nos dez primeiros minutos do segundo tempo. O Alvinegro, entretanto, resistiu. 

 

E a partir dos 14, a equipe passou a contragolpear. Numa dessas aparições no ataque, João Paulo cobrou falta, Roger desviou e Carli disputou no alto. Mas fora marcado o impedimento do argentino. 

 

Aos poucos, o ímpeto uruguaio foi diminuindo. Na mesma medida, o público presente foi se empolgando e começando a puxar coros. Aos 23, o Nacional até conseguiu assustar. Mas Gatito parou com o peito a finalização de Viudez. 

 

Daí para o final, o Alvinegro criou chances de todo modo, mas já animava a torcida, que começou a cantar "olé". O espírito esportivo passou longe de Aguirre e companhia, que, a cada ataque, davam uma pancada. Houve confusão no campo, Victor Luís e três uruguaios expulsos, e muitas cadeiras quebradas pela torcida visitante. Mas festa alvinegra!

 

FICHA TÉCNICA BOTAFOGO 2 X 0 NACIONAL-URU 

 

Data/hora: 10/8/2017, às 19h15 

 

Local: Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ) 

 

Árbitro: Wilmar Roldán (COL) 

 

Assistentes: Wilmar Navarro (COL) e John Alexander León (COL) 

 

Cartões amarelos: Matheus Fernandes, Dudu Cearense, João Paulo, Roger, Arismendi, Silveira, Rodríguez, Ramírez 

 

Cartão vermelho: Polenta, Rodríguez Aguirre e Victor Luís 

 

Gols: Bruno Silva, aos 2'/1ºT e Rodrigo Pimpão, aos 5'/1ºT 

 

Renda e público: R$2.470.795,00/36.133 pagantes 

 

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Luis Ricardo, Carli, Igor Rabello e Victor Luís; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Matheus Fernandes (Dudu Cearense) e João Paulo; Rodrigo Pimpão (Guilherme) e Roger; Técnico: Jair Ventura. 

 

NACIONAL-URU: Conde, Fucile (Barcia) , Rogel, Polenta e Espino; González (Silveira), Arismendi e Rodríguez; Viudez, Aguirre e Fernández (Ramírez); Técnico: Martín Lasarte.