Domingo, 09 de Abril de 2017, 02h:27

Tamanho do texto A - A+

BARRIL DE PÓLVORA: Trump, Le Pen e Bolsonaro

 

 

Com Trump fazendo escola a partir da maior potência do planeta, estimulando o crescimento da extrema-direita e o xenofobismo pelo mundo afora, falta apenas, para formação do Eixo (à semelhança daquele liderado por Hitler), a reacionária Marine Le Pen ganhar as eleições presidenciais na França (e ela tem grandes chances de vencer!).

 

Para completar a dupla Trump-Le Pen, o Brasil pode dar sua "contribuição" na formação de um triunvirato do extremismo, caso Bolsonaro, que prega o fim das reservas indígenas, assentamentos de quilombolas e defende a "internação" de gays, venha ser eleito presidente da República por estas bandas tropicais. 

 

A exemplo do que pode ocorrer na França de Le Pen, e já ocorreu nos Estados Unidos com Trump, uma eleição "bolsonariana" não é difícil de acontecer deste lado de cá latino-americano, mais pobre e atrasado!

 

Nesse sentido, basta lembrar que até pouco tempo atrás a candidatura de Trump não era levada a sério nos Estados Unidos, mas ele venceu, ainda que defendendo politicas de isolamento e segregacionistas, como a construção de um muro, igual ao de Berlin, separando os EUA do México.  

 

Uma ideia que parecia maluca, e é, faz parte do ideário, propostas e metas de um homem que agora governa a América!

 

Daí,  não se poder substimar a candidatura do radical Bolsonaro e o potencial eleitoral que ele tem de se eleger presidente da República. 

 

Os ventos do extremismo e da intolerância sopram forte, quando se esperava que o fim da "Guerra Fria" e antes disso, a derrota do Eixo liderado por Hitler tivessem desaparecido dos horizontes da Humanidade!